Qualidade da água

Uma boa qualidade da água é essencial para a saúde de diversos habitats costeiros e, em consequência, para as atividades de aquicultura,  pesca e lazer (praias, natação, surf, etc.). Considerando-se estes aspectos socioeconômicos e ambientais, a má qualidade da água é considerada como um risco costeiro. Os gestores do litoral tem, em consequência, o dever de manter ou de restabelecer uma qualidade ótima das águas costeiras.

Os lançamentos diretos em águas costeiras de efluentes urbanos, domésticos e industriais incidem diretamente sobre a qualidade da água. Os lançamentos provenientes do escoamento de terras agrícolas ou das modificações dos aportes fluviais tem igualmente efeitos nefastos.

Ao longo dos últimos decênios, o fluxo de nutrientes nas águas costeiras provenientes de fontes terrestres tem aumentado na Europa e no mundo inteiro. As mudanças na qualidade da água que resultam deste aumento tem múltiplas incidências sobre os ecossistemas costeiros e marinhos. O fósforo e o azoto contribuem à proliferação de algas que, quando se decompõem, causam uma rarefação do oxigênio necessário às espécies marinhas como peixes, moluscos e crustáceos.

Uma modificação das cargas de elementos nutritivos pode igualmente alterar a composição e a diversidade das espécies de fitoplâncton.  Em casos extremos, este crescimento de algas ou eutrofização pode gerar “zonas mortas”, nas quais há um esgotamento do oxigênio quando as algas saturaram uma área, e depois morre. Esta modificação pode ainda ser responsável pela proliferação nociva de algas. Outros problemas relacionados à qualidade da água incluem a contaminação direta das águas de recreio por efluentes brutos, ou pelo lançamento de produtos tóxicos ou marés negras.

Estas mudanças incluem a variação da temperatura da água, assim como a modificação da sua salinidade e de seu PH. Os fertilizantes, os pesticidas e os herbicidas utilizados na agricultura tem um grande impacto sobre a composição da água.

Entre as outras fontes de poluição da água estão o transporte marítimo, o lançamento de resíduos urbanos e industriais, o descarte da água de lastro e a introdução de parasitas marinhos.

Em dezembro de 2000, o Parlamento europeu adotou a Diretiva-Quadro da Água. Como signatários desta diretiva, cada Estado membro se engajou a garantir uma boa qualidade ambiental das aguas marinhas e continentais no horizonte de 2015. Foi criado um programa de monitoramento para acompanhar a evolução do estado das águas. Os resultados obtidos permitem engajar ações para garantir o alcance dos objetivos fixados.

Documentos

Études de cas ANCORIM

Rías Baixas em Vigo

(Espanha)

Caso prático das Rias Baixas de Vigo (Spain)Gestão e prevenção de riscos que afectam a qualidade das águas costeiras associadas com aquicultura.

Se você deseja compartilhar com os membros da informação não está incluído nesta rede web, por favor envie-nos.